sexta-feira, 5 de março de 2010

Exposição de Hebreus VII

"Lembrai-vos, porém, dos dias passados, em que, depois de serdes iluminados, suportastes grande conflito de sofrimentos; em parte, fostes feitos espetáculo, tanto por vitupérios como por tribulações; e, em parte, vos tornastes companheiros dos que foram assim tratados." (Hebreus 10.32-33)

Transcrevo abaixo as palavras de Calvino sobre esses dois versículos. Há aqui várias lições importantes que não terei o trabalho de listar. Os três parágrafos falam por si mesmos:

"Tencionando estimulá-los e despertar o seu fervor para que seguissem adiante, o autor traz à sua memória o exemplo de piedade que anteriormente demonstraram. É algo deprimente quando alguém começa bem no ponto de partida, para depois sentir-se desanimado em meio à jornada; ainda mais deprimente, porém, é voltar atrás depois de haver feito considerável progresso. Com esse propósito em vista, é sempre proveitoso recordar o combate passado, se o temos travado fiel e energicamente sob a bandeira de Cristo; não à guisa de buscar pretexto à indolência, como se já tivéssemos concluído o nosso curso, mas sempre prontos a alcançar o ponto final que foi posto diante de nós. Porque Cristo não nos recrutou sob termos tais que depois de alguns anos pudéssemos solicitar licença, como os soldados que já cumpriram seu serviço; ao contrário, é para que continuemos o combate até o fim.

Ele reforça sua exortação, dizendo que haviam realizado notáveis atos de bravura num tempo em que eram ainda recrutas. Resultaria, pois, vergonhoso se agora desertassem, depois de um longo tempo de experiência. O termo 'iluminados' se restringe ao tempo em que, pela primeira vez, começaram a servir a Cristo, como se dissesse: 'assim que iniciastes na fé em Cristo, enfrentastes acirradas e árduas batalhas; e agora vossa experiência deve ter-vos fortalecido para fazer-vos mais corajosos'. Ao mesmo tempo, ele os lembra que, se realizaram tais proezas, foi pela benevolência divina, de modo que sua fé deve estar posta nos esforços divinos, e não nos seus próprios. Os iluminados são aqueles que anteriormente estiveram circundados por trevas e destituídos de olhos que pudessem ver que de parte alguma qualquer luz resplandecera sobre eles. Sempre que venham à nossa mente as coisas que temos feito ou sofrido por Cristo, consideremo-las como outros tantos incentivos que nos estimulem a maiores proezas.

Assim, vemos que aqueles a quem o escritor se dirige são aqueles cuja fé fora testada por tribulações não triviais, e todavia não cessa de exortá-los a maiores esforços. Que ninguém se engane com ilusória gabolice, crendo que já alcançou o alvo, ou que não tem nenhuma necessidade de incentivos por parte de outrem. Ele diz que haviam se tornado 'espetáculo, tanto por vitupérios como por tribulações', como se houvessem sido exibidos em espetáculo público. Daqui concluímos que as perseguições que suportaram eram especialmente notáveis. É preciso que se note cuidadosamente a última cláusula, onde o escritor diz que foram companheiros de outros crentes em suas perseguições. Visto que a causa pela qual todos os crentes lutam é a causa de Cristo, a qual é comum a todos eles, sempre que um deles sofre, todos os demais também pessoalmente sofrem com ele, e isso deve ser praticado universalmente, salvo se desejamos separar-nos do próprio Cristo."

Um comentário:

  1. Olá

    Uma postagem muito interessante, assim como o restante do blog. Parabéns pelo seu trabalho, já estou sendo seu seguidor.

    Se também desejar me visitar, conhecer minhas idéias, trocar links ou seguir meu blog, visite:

    Um pouco além do óbvio.

    Abraço.

    N'Ele, a autoridade máxima em matéria de salvação.

    ResponderExcluir